Neste novo livro, o ensaísta e filósofo Eduardo Jardim parte da ideia de que toda experiência, para ter seu acabamento, precisa ser narrada. Partindo desse pressuposto, o autor investiga a viagem do vírus HIV desde seu surgimento, na África ― há quase cem anos ―, até sua chegada ao Brasil, acompanhando suas repercussões em todo o mundo. Como Eduardo observa, “muito cedo, escritores, cineastas e artistas se interessaram pela aids, tomando-a como tema ou como inspiração.” Assim, nesse
BAZAR DO TEMPO
Product ID: 5365
Product SKU: 5365
New In stock />
A DOENÇA E O TEMPO EDUARDO JARDIM

A DOENÇA E O TEMPO EDUARDO JARDIM

Marca: BAZAR DO TEMPODisponibilidade: Imediata


Por:
R$ 48,00

ou 12x de R$ 4,96 com juros
Simulador de Frete
- Calcular frete

Neste novo livro, o ensaísta e filósofo Eduardo Jardim parte da ideia de que toda experiência, para ter seu acabamento, precisa ser narrada. Partindo desse pressuposto, o autor investiga a viagem do vírus HIV desde seu surgimento, na África ― há quase cem anos ―, até sua chegada ao Brasil, acompanhando suas repercussões em todo o mundo. Como Eduardo observa, “muito cedo, escritores, cineastas e artistas se interessaram pela aids, tomando-a como tema ou como inspiração.” Assim, nesse percurso, A doença e o tempo analisa as manifestações sociais, políticas e culturais desencadeadas pelo surgimento da doença, examinando ainda o estigma e a discriminação que chegaram juntamente com conceitos como “grupo de risco”. “A angústia é um sentimento difuso, que tem a ver com a perda de orientação do mundo. Pode-se evitar, resistir ou aniquilar aquilo que provoca medo. Isso não é possível com a angústia. Pode-se tentar transformar a angústia em medo e, assim, pretender ter forças para liquidá-la. Foi o que aconteceu no caso de muitas reações à aids, que foram tentativas de circunscrever o problema a contextos definidos.” Em diálogo com obras e autores que trataram do tema, como Susan Sontag, e mobilizando para a reflexão escritores como Joseph Conrad e Octavio Paz, o livro analisa, de forma lúcida e sensível, como a aids alterou a nossa perspectiva sobre inúmeras dimensões da experiência humana e sobre o próprio tempo. “O drama da aids não se confina em nenhum gueto. Ele não é condicionado por nenhuma geografia. As perguntas que a aids suscita dizem respeito a todos os homens e referem-se precisamente a nossa mortalidade. Ao perseguir uma resposta para elas vislumbra-se a possibilidade de se reconsiderar o valor da vida.”

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

    Confira os produtos